Nintendo PlayStation raríssimo será vendido em leilão


Protótipo do console da parceria entre Sony e Nintendo, irá a leilão em 2020 após receber ofertas milionárias

O “Nintendo PlayStation” é um raro protótipo dos anos 90, que foi fruto de uma parceria entre Sony e Nintendo para criar um acessório do Super Nintendo capaz de ler CDs. O projeto foi cancelado na época e não há informações sobre quantos protótipos chegaram a ser produzidos – o único aparelho conhecido está nas mãos de um homem chamado Terry Diebold.

O dono do dispositivo anunciou recentemente que irá vendê-lo em um leilão online, no dia 27 de fevereiro, por meio da casa de leilões Heritage Auctions. A peça é tão única que várias casas de leilão chegaram a recusá-la por não saberem quanto ela vale. Inclusive, uma oferta de compra de US$ 1,2 milhão (em torno de R$ 4,85 milhões) já foi negada.

O protótipo, oficialmente chamado de “Play Station”, foi descoberto em 2015 pelo filho de Terry, Dan Diebold, que não sabia o que ele era até investigar por mais algum tempo e impressionar colecionadores com seu achado. No entanto, o aparelho foi adquirido alguns anos antes, em 2009, por meio de um leilão de bens da empresa onde Terry trabalhava, a Advanta Corporation. O CEO dessa empresa, por sua vez, era ninguém menos que Olaf Olafsson, o presidente da Sony Interactive Entertainment na época da parceria com a Nintendo.

Durante o ano de 2019, Terry tem tentado vender o protótipo, porém casas de leilão não conseguem avaliar seu valor e até mesmo uma oferta de US$ 1,2 milhão (em torno de R$ 4,85 milhões) de um colecionador da Noruega chegou a ser recusada. A novidade é que o leilão pela Heritage Auctions irá definir de vez quanto o produto vale, pois não haverá preço base e ele será vendido pelo lance mais alto independente de quanto seja. Segundo Terry, o protótipo começou a acumular despesas de todas as viagens que ele fez para exibir o console e oferecê-lo a possíveis compradores.

Inicialmente, quando foi descoberto, o videogame não era funcional e apenas rodava cartuchos japoneses de Super Nintendo. Após uma série de consertos, o dispositivo se tornou capaz de ler jogos em mídia ótica. Porém, como nunca foi lançado, não existiam jogos oficiais para testá-lo – apenas protótipos criados por fãs com base em suas especificações. A potência do aparelho também não é muito impressionante e chega a ser inferior ao acessório Sega CD lançado para o Mega Drive.

Via Kotaku e Game Revolution

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *